TREINANDO LÍDERES

Written by admin on 11 de julho de 2017. Posted in Notícias

COMO FAZER TREINAMENTO DE LÍDERES E TRABALHO EM EQUIPE?

O fracasso não é a queda, mas a permanência no chão. Liderança não é cargo – é uma responsabilidade. Liderança é habilidade de influenciar pessoas para que trabalhem com entusiasmo, foco por objetivos identificados como voltados para a Missão ou bem comum.
A prática do amor é servir o outro.

30 DIAS DE CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTOS EM COMUNIDADE

– Tomar consciência das próprias barreiras pessoais e aprender a deixá-las de lado. Também externar as insatisfações para o grupo – nada de “panelinhas”, idéias abafadas nem abandonos. As preocupações devem ser elaboradas com o grupo.

– Falar de maneira assertiva, aberta, franca e honesta. Falar na primeira pessoa. Falar de maneira pessoal e profunda, num modelo de transparência e humildade.

– Se você não sabe explicar com simplicidade, sem retórica e repetição infundada, é porque ainda não entendeu bem, ou não assimilou pra você mesmo. Tem bons líderes na liderança, mas nem tanto na construção de equipes fortes e saudáveis. Um pássaro só voa se as duas asas funcionarem bem.

– Tudo se constrói e desmorona conforme a liderança. Primeiro precisamos estabelecer o padrão de liderança que desejamos atingir, pois disso depende o sucesso do processo de treinamento. Os líderes não nascem prontos, mas se fazem. Gente não se gerencia, lidera-se.

– Se a cada dia, vencer uma barreira comum, em um mês haverá transformação.

– 30 BARREIRAS apresentadas por James Hunter no livro: De volta ao Mosteiro. O Monge e o Executivo.
1 – Dificuldade de ser autêntico com os outros.
2 – Uso de “máscaras” – convicção de que “ está tudo bem”.
3 – Necessidades de ter todas as respostas.
4 – Postura dominadora nas discussões.
5 – Excesso de controle micro gerenciamento.
6 – Interrupção de fala alheia.
7 – Baixa capacidade de ouvir.
8 – Adoção de idéias e expectativas preconcebidas.
9 – Preconceitos – visão estereotipada das outras pessoas.
10 – Inacessibilidade.
11 – Incapacidade de lidar com críticas.
12 – Descontrole emocional, oscilações de humor.
13 – Imprevisibilidade, inconsistência.
14 – Falta de paciência e autocontrole.
15 – Constrangimento de outras pessoas em público.
16 – Maledicência (falar mal de terceiros pelas costas).
17 – “Formação de panelinhas” (alianças destrutivas).
18 – Desonestidade, falsidade, não ser confiável.
19 – Falta de abertura e franqueza com os outros – segundas intenções, meias verdades, etc.
20 – Descompromisso – não assumir responsabilidades.
21 – Falta de respeito com os outros – não reconhecer os direitos alheios.
22 – Falta de valorização dos outros – não dar às pessoas a devida importância.
23 – Falta de incentivo aos outros.
24 – Não reconhecimento do mérito alheio.
25 – Não verbalização de opiniões contrárias.
26 – Necessidade de ser querido por todos – busca contínua da aprovação alheia.
27 – Evitação de conflitos/ confrontos.
28 – Auto-exclusão (emocional/ física) do grupo.
29 – Desrespeito à confidencialidade do grupo/ dos outros.
30 – Incapacidade de perdoar – postura ressentida/ rancorosa.

“Do Livro de James Hunter: De volta ao Mosteiro, O Monge e o Executivo”.

Leave a comment