Estrutura Orgânica

Written by admin on 25 de maio de 2017. Posted in Notícias

ESTRUTURA DE BASE
Ministérios
Do entendimento comum dos princípios motivadores na Unidade da CPV

A Liderança da CPV compreende que obedecer ao chamado ou convite de Deus é se tornar uma espécie de “jesuizinho”, isto é, ser parecido com o Mestre Jesus, sendo discípulo com o caráter e estilo de vida que vai fazendo discípulos multiplicadores de novos discípulos, desde as crianças, numa parceria direta de interação com Jesus, conforme Mt 28.20 e Rm 8.29.

Tem o entendimento que o “deserto”, com a saída do Egito durante 40 anos, representa hoje as tensões, sofrimentos, dores, lutas, alegrias e o próprio quarto de escuta pessoal lendo a Bíblia e orando no enfrentamento real do dia a dia, em busca da maturidade. Que Canaã, a terra prometida, representa o novo “éden” que assumiremos na volta de Jesus. Que a Fé, confiança na Graça é a única possibilidade de entrada em Canaã, sentindo o peso do preço pago pelo pecado, quando se torna completamente dependente de Jesus pela atuação do Espírito, estando em amor debaixo da Graça em relacionamentos maduros num Pequeno Grupo, com adoração constante na vida em família, no trabalho e durante os outros seis dias e na Celebração Comunitária, conforme At 2.46 priorizando voar com em duas asas.

Reconhece e respeita a cultura e costume, que inicialmente muitos buscam a Cristo nos templos, nos ajuntamentos, mas tem medo da intimidade, do relacionamento em grupos pequenos, onde pode existir um verdadeiro encontro das duas individualidades, a privacidade ou a intimidade e o público em celebração. Que uma cura não precisa de palco e de público, porque Cristo não quer somente curar, mas também se encontrar, relacionar, tocar, uma vez que Ele tomou sobre si as nossas dores e enfermidades, conforme Is 53.4.

Da estrutura de gestão e funcionamento

O Conselho composto pelos presbíteros regentes eleitos pela assembléia geral, com mandato de 5 anos, sob a presidência do presbítero docente e pastor, escolheu trabalhar em Colegiado juntamente com os diáconos, para gerir a jurídica e demais relações institucionais com os objetivos estatutários da CPV, conforme CI-IPB, seguindo o PZMN e o SZM.

O Colegiado escolhe o vice-presidente, secretário e tesoureiro geral. O tesoureiro sendo apoiado por um administrador, coordenará as relações de finanças, fiscais, jurídicas, trabalhistas, taxas, tarifas, bancos e demais encargos sociais, respondendo pelos serviços burocráticos, controle da receita com as duplas do gasofilácio, da limpeza, da jardinagem e da utilização do espaço físico, com o apoio do pastor e da secretaria.

Um Relator em comissão nomeada pelo colegiado, responderá e supervisionará os processos de contratações e compras dos investimentos permanentes da Construção, inclusive campanhas especiais para o Fundo de Construção, na supervisão e apoio do tesoureiro e do administrador.

Os serviços de secretaria e zeladoria e outros permanentes ou temporários funcionarão sob contrato conforme CLT em cumprimento da legislação em vigor, devidamente acompanhados e normatizados pelo tesoureiro e administrador, com o apoio e a supervisão do pastor.

Os líderes de núcleos e de grupos de discipulados com os seus cônjuges e outros auxiliares, formam a equipe de desenvolvimento para a maturidade e multiplicação de discipuladores e de núcleos, atendendo as decisões do colegiado, de forma cooperativa e voluntária, sob a supervisão do pastor.

O pastor, presidente do Colegiado, é o mentor, supervisor e o capacitador de líderes, auxiliares e seus cônjuges, zelando pelo nível do pastoreio mútuo, celebrações, liturgias, mensagens, escalas funcionais para promover as participações e demais trabalhos organizacionais, avisos e da comunicação em massa, sem poder delegar a outros estas funções, tendo o apoio da secretaria e dos coordenadores de ministérios.
Ainda responde pelo movimento permanente de oração, pelas equipes e grupos de louvor, instrumentos, equipamentos e as suas normatizações de uso, zelando pela verdadeira adoração comunitária, centrada unicamente na Graça de Jesus.

Um conselho consultivo motivador do ministerial missional, é formado com os apoiados ou enviados como fazedores de tendas, para facilitar a evangelização em grupos pequenos em diversos locais, como: São Gabriel da Cacheira-AM; Chapadão do sul-MS; Brasília-DF; Aracaju-SE; Campo Grande-MS, São Gotardo-MG; Araxa-MG; Colatina-ES, Ubá-MG, Colatina-ES, Escócia e Quirguízia.

Dos Ministérios e envolvimentos voluntários

Ministérios cristãos em nosso lar, em nosso trabalho, na igreja, na vizinhança e no mundo.

1 – Dos Núcleos ou Pequenos Grupos relacionais nos lares

Sob a responsabilidade de um líder com um auxiliar, na coordenação do pastor ou de supervisores, os núcleos funcionarão com a finalidade de viver o Evangelho na sua integralidade relacional promovendo intimidade com Jesus no quarto de escuta e adoração com a vida nos outros seis dias, celebrando em comunidade entre os adoradores, pelos núcleos de geração integrada com as crianças até doze anos ou em Núcleos de afinidades por idade, geografia, cultura, artes, social ou afim, que tem o objetivo prioritário de atrair multiplicadores de discipuladores.

Entendendo que a nossa missão não é somente pregar e evangelizar. Cremos, conforme II Tm 2.1-2, que devemos investir em vidas, ensinando, para que sejam capazes de evangelizar e discipular outros. “Tu, pois, filho meu, fortifica-te na Graça que está em Cristo Jesus. E o que de minha parte ouviste, através de muitas testemunhas, isso mesmo transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a outros.”

2 – Das Celebrações Comunitárias

Sob a coordenação geral do pastor, o ajuntamento dos adoradores dos outros seis dias, para adoração a Deus de forma comunitária, motivará com exposição da Bíblia, cantando, orando, compartilhando testemunhos e comendo muito sal, de forma a conduzir os presentes a saírem com sede e compartilhar durante a semana no seu Núcleo o tema exposto, sendo tudo sempre centrado na Graça de Jesus, além de incentivar que todos entrem diariamente no seu quarto de escuta pessoal para ler, orar, ser confrontado e se alegrar, numa solitude que o desafia a fazer novos discípulos de Jesus.

3 – Do Ministério de capacitação de líderes e discipuladores

Mensalmente o pastor, presidente do colegiado, promoverá encontros de café com líderes, envolvendo os cônjuges e auxiliares, num ambiente de comunhão, para formação da companhia de jugo, pastoreio mútuo, compartilhamentos, prestação de contas, motivando o desenvolvimento natural para a maturidade e da maturidade para o serviço, visando o crescimento de líderes multiplicadores de discípulos que fazem discípulos com coerência de vida com a vida do outro, absolutamente centrando na Graça de Jesus sob todos os aspectos.
Cuidará dos seminários e grupos especiais formadores de novos líderes de discípulos que fazem discípulos de Jesus, sendo exemplo discipulador.

4 – Do Ministério Infantil – Crianças até 12 anos

Um coordenador e uma comissão de pais do ministério infantil cuidará dos materiais aplicáveis, das instruções, capacitação, da dinâmica pedagógica e do ensino vivencial das crianças em 3 pilares com ênfase no apoio ao Pai e a Mãe em casa, nos Núcleos e na ED com os facilitadores nas celebrações, conforme desenvolvido pela Editora do MIC.
A coordenação terá o apoio da secretaria para incentivar o bom uso dos investimentos no material, para os pais, para os núcleos e para os facilitadores na ED.
O conhecimento da Graça, do amor de Jesus e da missão com o envolvimento da criança, constitui o cerne do ministério infantil. Através de brincadeiras, atividades orientadas e lúdicas, além dos projetos especiais, a criança tem a oportunidade de começar a descobrir seus dons e praticá-los para cumprir a missão na idade apropriada.
O público alvo são as crianças de zero a doze anos de idade e também organizando a festa anual da criança em outubro, como oportunidade para novos relacionamentos com a comunidade local e entre as nossas crianças com as famílias, sob a tutela e mentoreio do pastor.

5 – Do Ministério de Juniores – Preás até 14 anos

Com a facilitação pelos pais, paralelamente ou não às celebrações, funcionará uma turma ou mais turmas de discipulado acompanhando os pré-adolescentes (preás) até 14 anos, com a finalidade de formar discipuladores, que promovam multiplicação de discipuladores entre os adolescentes no futuro, sob a coordenação do ministério infantil, com o mentoreio direto do pastor.

6 – Do Ministério de Adolescentes até 17 anos

Um casal coordenador em comissão de pais motivará o funcionamento de núcleos relacionais e demais atividades extras núcleos entre os adolescentes até 17 anos, com o objetivo de conduzi-los ao “deserto”, isto é, ao confronto das lutas pessoais, aprendendo utilizar bem o quarto de escuta diário e o discipulado que capacita discípulos que fazem novos discípulos entre os adolescentes, levando-os a imitar Jesus em tudo, sob a supervisão do pastor.

7 – Do Ministério de Jovens

Um coordenador em comissão cuidará das atividades de vivência do Evangelho entre os jovens acima de 18 anos, formando núcleos relacionais, tendo atividades extra núcleos, para levar seus amigos ao discipulado, onde se formam discípulos que fazem novos discípulos multiplicadores, conduzindo-os da descrença para a crença, da crença para a maturidade e da maturidade para o serviço de fazer novos discípulos, com formação de novas lideranças na supervisão do pastor.

8 – Dos Ministérios de Mulheres e de Homens

Um coordenador de homens e outro de mulheres, em comissão cuidarão das atividades especiais, como solitude, contemplação, orações, retiros de reflexões, caminhadas, encontros sociais, comemorações e outros encontros que integrem os amigos entre as mulheres e entre os homens, também entre casais com ou sem filhos, dependendo dos interesses e demandas, formando laços de amizade, pastoreio e apoio mútuo, bem como na promoção de debates e palestras em tratamentos de vida na vida, pelos traumas, lutas e sofrimentos passados, em períodos mensais, bimestrais ou semestrais, na supervisão do pastor.
As mulheres mais jovens querem e podem fazer suas perguntas, tanto a mães, tias e avós, mas também a outras mulheres amigas, da mesma forma pode acontecer com os homens, pois ambos muitas vezes ficam acomodados em suas vidas e afazeres, sem promover a maturidade espiritual e relacional, fortalecendo os relacionamentos nos Núcleos e Discipulados.

9 – Do Ministério da Terceira idade

Um coordenador em comissão cuidará dos grupos de oração, solitude, lectio-divina, contemplação, retiros, reflexão e demais atividades esportivas e sociais entre casais ou solteiros maiores de 70 anos, visando o fortalecimento espiritual de intimidade com Jesus no quarto de escuta diário.

10 – Do Ministério da Biblioteca

Sob o devido Regulamento aprovado pelo Colegiado a Biblioteca funcionará para incentivar e motivar a leitura de bons livros, emprestando por 7 dias, tendo multa atualizada pela inflação em casos de devolução com atrasos, gerando recursos a ser reinvestido na aquisição de novos livros. Um coordenador fará o controle, a gestão e a logística de empréstimos de livros, com o apoio da secretaria e do pastor, podendo propor atualizações e alterações no Regulamento para aprovação pelo colegiado.

11 – Do Ministério NDC – Núcleo de Desenvolvimento Comunitário

Um coordenador em comissão cuidará do bom funcionamento e responderá pelo cumprimento dos objetivos regulamentados para o NDC nas operações de apoio ao desenvolvimento regional, facilitando o envolvimento de discípulos pelo Evangelho, através dos núcleos e grupos de discipulados, para receber aqueles que forem atraídos por Deus, nas parcerias firmadas e demais convênios como a Feira agro-ecológica; Bazar de usados; Cursos de Pintura, Robótica; Eventos especiais como a festa de inverno, feijoada, caminhadas ecológicas e demais atividades inerentes ao fortalecimento das famílias envolvidas com interatividade, aumento da auto-estima e promoção da justiça, sob o mentoreio do pastor.

O NDC funcionará sob o devido Regulamento aprovado pelo colegiado, tendo os recursos captados pelos bazares e demais eventos, sendo aplicado pela tesouraria geral conforme orçamento, atendendo as necessidades do NDC e das melhorias nas instalações e plantas ou árvores do terreno da CPV.

Colegiado CPV
Março – 2009

Leave a comment